Obamologia.


O discurso de aceitação do prémio Nobel pelo Presidente dos EUA deu origem a uma grande vaga de Obamologia. Para quem não sabe, é a ciência da interpretação do verdadeiro significado das palavras do Sumo Sacerdote. Dito de forma simples: não podem estar todos certos. O Obama da proverbial setinha para cima do Público não é o Obama dos satisfeitos com a tonalidade um bocadinho agressiva do discurso. Alguém se vai desiludir, a menos que seja daqueles que nunca se desiludem, porque todas as ondas são boas para cavalgar. A mim parece-me que a política externa deste Presidente por enquanto é uma confusão e que nada está a correr lá muito bem. Logo se vê.

Climategate.




É tal o excitamento em Copenhaga no catastrofismo ambiental que já há quem lhe chame a cimeira do clímax.

Fátima Campos Ferreira quer lei para punir pessoas que batem palmas com 5 anos de prisão.


Fátima Campos Ferreira tem tentado sem sucesso banir as palmas no Prós e Contras e pretende que o Código Penal a ajude a reprimir esses comportamentos durante o seu programa. A jornalista já entregou uma proposta que implica a criminalização do aplauso e quer molduras penais bem severas. Segundo a proposta, quanto mais intenso e longo o ruído do aplauso maior deverá ser a pena. Para o aplauso simples (até 20 decibéis ou 3 pancadas) as penas deverão variar entre 5 anos de prisão e os 15 anos; para o aplauso agravado as penas deverão variar entre os 10 anos e os 50 anos. “Se esta lei não entra em vigor nas próximas semanas, eu declaro a lei marcial no meu programa e meto os meus jagunços a expurgar”, afirmou Fátima Campos Ferreira, que rejeitou a proposta do Bloco de Esquerda de introduzir uma sala de palmas localizada nas traseiras da Casa dos Artista para os viciados em aplausos poderem satisfazer o seu vício sem serem punidos.

A grande farsa do aquecimento global (1º de 9 vídeos).

Decotada socialista.

Clicar para aumentar (ainda mais).

Repetir até acertar.



Parece que os suiços escandalizaram algumas alminhas do politicamente correcto, por terem tido o atrevimento de - imagine-se - proibirem que, no seu próprio país, fossem construídos minaretes nas mesquitas. Não proibiram mesquitas, só minaretes, o que é coisa diferente, mas isso é questão de pormenor que a ninguém interessou realçar.

Alguns chegam mesmo ao ponto de considerar essa decisão do povo suiço uma provocação aos muçulmanos...

É evidente que os referendos são perigosos porque podem dar o resultado errado e não há margem para recuos. Entre nós, por exemplo, foi péssimo quando venceu o Não ao aborto, mas, pelo contrário, foi óptimo quando o Sim ganhou...

Mas isso são pormenores que não preocupam as inteligenzias que tutelam o pensamento nas nossas democracias.

Em todo o caso, este disparate democrático dos suiços tem solução simples e a rapaziada cá da terra pode sugeri-lo às autoridades suiças: é só repetir o referendo tantas vezes quantas as necessárias para que o resultado dê certo...

É um aborto de ideia mas resulta sempre.

Lido no 31 da Armada.


As mesquitas são os nossos quartéis, os minaretes as nossas baionetas, as cúpulas os nossos capacetes, os crentes os nossos soldados.

Citação do primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan.

Sendo assim, só tenho que dar os meus parabéns aos suíços.

No comments.


Clicar para crescer.

Fernanda Câncio.


Já que Fernanda Câncio insiste tanto no assunto amoroso - é ela aliás quem o traz permanentemente à colação nos blogues e nos jornais - aceitemos todos a vontade expressa no DN: a partir de hoje que ninguém a trate como "a namorada do primeiro-ministro". É tudo alegadamente e a privacidade no caso pode até não ser atingida porque nunca nenhum dos dois assumiu a relação que porventura não existe (who cares?). Apesar de gastar mais caracteres e espaço, chamem-lhe se faz favor "a senhora jornalista que não quer ser identificada como namorada do primeiro-ministro e está farta de o repetir por escrito". Ou outra coisa qualquer.

Jobs for the boys.


Socialistas derrotados nas autárquicas foram nomeados governadores civis


O povo não o elege? Obviamente, nomeie-se.

Al Gore e as suas patranhas. Começa a cair a máscara.


Al Gore's award-winning global warming film "An Inconvenient Truth," socked two years ago by a British court ruling that found several errors, is facing additional scrutiny with the release of a new documentary that seeks to rebut many of Gore's claims.

In Gore's film, directed by Davis Guggenheim and released in 2006, the former vice president argues that humans are causing climate change, a problem he says is the biggest moral challenge facing the globe.

If humans don't act to reduce their emissions of greenhouse gases, Gore contends, the deaths caused by climate change will double in 25 years to 300,000 people a year, and more than a million species worldwide could be driven to extinction in half a century.

The film went on to win Academy Awards for Gore and Guggenheim and to re-energize the environmental movement.

But in 2007, a British High Court judge ruled that Gore's film contained nine significant errors and should no longer be screened in schools unless accompanied by guidance notes to balance Gore's "one-sided" views.

The film's "apocalyptic vision" was not an impartial analysis of climate change, High Court Judge Michael Burton said, adding that the film is "substantially founded up scientific research and fact" but that the errors were made in "the context of alarmism and exaggeration."

Buoyed by the ruling, two Irish journalists -- Phelim McAleer and Ann McElhinney -- released a documentary in which they gather evidence outlining the damage of global warming hysteria. In "Not Evil Just Wrong," they challenge the claims made in Gore's film and conclude that the film is not worth screening in schools because it is shown there as "an article of science, not faith."

Last month, McAleer publicly confronted Gore in an contentious exchange at an environmental journalist conference, where Gore was the keynote speaker and took questions from the audience.

When asked by McAleer whether he would do anything to correct the errors found by the British court, Gore said he wouldn't go through each of the errors but added that the ruling was in favor of screening the film in schools.

"There's been such a long discussion of each one of those specific things," he said. "One of them for example was that polar bears…really aren't endangered. Well polar bears didn't get that word." The audience laughed.

Phelim countered that the number of polar bears has increased and is increasing.

"You don't think they're endangered?" Gore asked.

"The number has increased," McAleer repeated, prompting the same question from Gore. "If the number of polar bears has increased, surely they're not in danger."

Before McAleer could say anything else, he was interrupted by environmental journalists who said it wasn't a debate and shut off his microphone.

Click here to watch the exchange.

McAleer, who has reported in the past for the Financial Times and the Economist, among other outlets, told Fox News' Sean Hannity on Friday that he believes incident shows that the members of the Society of Environmental Journalists are simply environmentalists, not journalists.

"They see it's their duty to protect the multimillionaire politician/businessman rather than support the journalist asking difficult questions," he said.

McElhinney, McAleer's filmmaking partner, said Gore, while doing research for his newly released book, "Our Choice," asked a scientist to dial back the science to fit his narrative.

"So much for the inconvenient truth," McElhinney said. "He just doesn't like the truth."

McAleer said the British court ruling should have given pause to Gore about his film.

"I wouldn't like our documentary to have nine significant errors and if it did, I certainly wouldn't be showing it to school children across America, and that's the important thing," he said.

McElhinney said it's a flawed argument by environmentalists that there's a consensus that everyone agrees about the causes and consequences of global warming.

"That's not how science works," she said. "It doesn't matter if 99,000 people all agree about something and one person is right. Politics works like that -- a certain number of people vote for something and then it becomes true. But with science, it's the one person who tells the truth."

Sangue.


A Associação de Dadores Benévolos de Sangue do Distrito de Portalegre procederá a mais uma colheita, das quatro que realiza anualmente no concelho de Marvão (o concelho do distrito que em proporção de dádivas/habitantes mais contribui) no prosseguimento da defesa desta sua tão nobre causa. Se é dador, não falte. Se nunca contribuiu, perca o medo e ajude. Vai ver que sabe tão bem…

Onde: Casa do Povo de Santo António das Areias
Quando: A partir das 9 horas da manhã - 21 de Novembro

K7 comunista.


No debate do Estado da Nação de 2007, em 20 de Julho desse ano, Jerónimo de Sousa afirmou na Assembleia da República que Portugal se havia transformado num "país mais injusto".

Em 15 de Outubro de 2008, falando em Aveiro, afirmava que "o nosso país está hoje mais injusto e desigual, mais endividado e mais dependente".

Um ano depois, em 14 de Março de 2009, o diagnóstico do secretário-geral do PCP foi muito semelhante: "O país está pior, mais injusto, desigual e endividado." Na Festa do Avante!, em Setembro, o mesmo mote: "O país está agora ainda mais frágil e mais debilitado do que estava em 2005", declarou Jerónimo a 6 de Setembro. Alguns dias depois, a 18, o líder comunista atacava o Código de Trabalho sublinhando que José Sócrates havia tornado o País "mais desequilibrado e mais injusto".

Já este ano, a 23 de Março, ao convocar uma manifestação de protesto contra o Governo o PCP lamentava que o País se tenha tornado "mais desigual, mais injusto, mais dependente e menos democrático".

Mais recentemente, no editorial do jornal Avante! de 5 de Novembro, pode ler-se:"Com o capitalismo dominante, o mundo é, hoje, menos democrático, menos livre, menos justo, menos fraterno, menos solidário, menos pacífico."

Depois disso, a 7 de Novembro, o secretário-geral do PCP justificou o facto de não celebrar o derrube do Muro de Berlim por haver hoje “um mundo mais injusto, mais desigual, menos democrático, com mais guerra”.

Sempre a música do costume: vira o disco e toca o mesmo. Deve ser a isto que alguns chamam a cassete comunista, que remonta aos tempos pré-históricos. Ninguém lhes arranja um DVD?

Desabafo.


A maior e mais dolorosa prova da falha do Estado Social que nos obrigam a engolir diariamente e de forma progressiva é a vida, que vida, pergunto-me, que os velhos, sim, velhos, têm depois de uma eternidade de promessas que quase finda para dar lugar a outra eternidade, dizem. Num admirável país que fala de avanços e modernizações, em projectos e em programas, nisto, naquilo e em toda a cangalhada espumada, quais ondas de mar, cheias de mijo de gente e bichos; olhamos para os velhos e sentimos um calafrio com a resignação de tantos. Vivem silenciosos, conformados, pela falta de acção possível, aos ditames dos filhos do país que lhes prometeu, em troca de tanto, muito mais. Promessas incumpridas, redondamente, que os atiraram, nos gloriosos anos de latão, para um qualquer lar clandestino, escondido num bairro escondido, para que ninguém saiba – como se alguém houvesse sem saber. E as vidas passam, os poderes revezam-se, e nós, os filhos ou netos do país que prometeu tanto e tanto aos velhos, fingimos não saber que o mesmo nos espera no futuro. Fingimos que tudo estará bem. Que a vida será bela. Que os fundos e mundos que nos oferecem em brochuras cheias de pinta vai mesmo existir. Tristes, tolos, estúpidos. Mil vezes tristes, mil vezes tolos, mil vezes estúpidos. Todos.

Vergonha!


Um dos maiores plantéis do mundo precisou de uma mãozinha para eliminar a Irlanda. Domenech continua a ser o homem errado no lugar errado. Por seu lado, Trapattoni já vira este filme. Em 2002, nessa vergonha colectiva que ficou com o nome de Mundial da Coreia-Japão. Nessa altura era seleccionador da Itália.

You are still my bitch.




A máquina ainda tentou sabotar o operação, obrigando-me a repetir três vezes o processo de obtenção das impressões digitais. Poderia ter sido o poder da sugestão a impedir que a epiderme mantivesse os relevos próprios das pontas dos dedos, mas duvido. Comentei que podíamos ficar por ali, uma vez que não fazia assim tanta questão de dar exemplares de impressões digitais a ninguém (ou, já agora, daquilo que parecia ser um digitalização - mal disfarçada de fotografia - da retina e da íris), mas, aparentemente, não foi muito convincente. Com ajuda de creme hidratante e muita paciência a coisa acabou por funcionar. E ainda tive de pagar no final. É como ser violado por um grupo de bandidos e ainda ter de agradecer quando eles se dão por satisfeitos. E dar-lhes o número de telemóvel para nos ligarem quando lhes apetecer (nesta parte, ao menos, deu para fingir que não tinha).

Trata-se de um pequeno plástico para controlar todos os tratamentos médicos que se recebem, onde se recebem, quem os concede e como o faz. Para saber em que escola se andou, durante quanto tempo se andou e designar para que estabelecimento de ensino se irá a seguir. Quanto se declara em termos fiscais, que tipo de trabalho se tem, e para quem é feito. Que propriedades, veículos e contas bancárias podemos ter em nosso nome. Que tipo de compras tentamos apresentar como deduções e em que quantidades. Quem são os progenitores e quanto devem eles receber por existirmos. Quanto devemos nós receber por termos filhos e a quanto teremos direito quando nos reformarmos. Quanto se deve obrigar o nosso empregador a pagar por nos empregar. Onde moramos, onde nascemos, quando nascemos - e, em conjugação com o cada vez mais idêntico irmão passaporte, por onde andamos e por quanto tempo o fazemos. E porquê. As relações amorosas que temos. Onde e quantas vezes votamos. Em que eleições votamos. Quanto mede a nossa estrutura óssea. Como é a nossa geometria facial, a cor do nosso cabelo, da nossa pele, dos nossos olhos. Como assinamos. Num futuro talvez não muito distante, a
identificação inconfundível do veículo que conduzimos e da sua exacta localização. Para além das retinas, das íris e das impressões digitais, o nosso código genético. E com isso, as nossas doenças congénitas, as nossas propensões para doenças, comportamentos de dependência, tendências sexuais. Potenciais capacidades cognitivas e problemas psiquiátricos. Prováveis traços de personalidade...

Há dias em que é tão bom recordar que vivemos em liberdade e que a
escravatura já foi abolida.

Sporting e a pescada de rabo na boca.


O presidente prometeu uma surpresa. Como não adjectivou pode-se dizer que cumpriu. Já não era sem tempo…Uma má surpresa sempre é uma surpresa.

A gestão “política” do dossier “treinador” tem sido um desastre, seguindo, de forma coerente, a linha dos meses que marcam a sua passagem pela cadeira presidencial. Depois do fracasso da contratação de Villas Boas ter agredido mais uma vez o orgulho dos Sportinguistas, o pior que podia acontecer seria ter escolhido para sucessor de Paulo Bento precisamente o treinador que iria substituir Villas Boas na Académica, isto se ele tivesse vindo para o Sporting!

Falhando a contratação do treinador do último classificado, fosse por falta de verba, por manobras de terceiros, por desinteresse do próprio, quem gere o Sporting ficou obrigado a ou a manter Leonel Pontes até ao final da época ou oferecer um nome que pudesse representar esperança e com isso agregar os Sportinguistas em torno dele. Contratando um treinador despedido recentemente por maus resultados, a SAD revela incapacidade para perceber a realidade e com isso estender ao novo técnico um presente envenenado. No fundo, cria à partida as primeiras condições para o fracasso. Pior do que o balneário, a qualidade do plantel e os adversários, Carvalhal não terá direito a estado de graça nas bancadas de Alvalade. Pouco importa protestar contra isto, o Sporting não pode alterar a realidade.

O cenário montado está talhado para falhar. Um presidente enfraquecido, um técnico sem prestígio e sem empatia com a massa associativa que o devia suportar, uma equipa atemorizada pelas suas próprias sombras. E sombra é a palavra adequada quando nos referimos ao que ela nos tem oferecido. O pessimismo instalado e a histeria de algumas reacções, onde estou longe de me rever, ainda fundamentam mais este raciocínio. Carvalhal teria sido uma escolha possível antes de Villas Boas, nunca o contrário. Não perceber isto vai acabar por nos ser fatal.

Não fora estes “pormaiores” e Carvalhal poderia ser ou não um treinador para este momento do Sporting? No passado foi apontado como um dos treinadores portugueses do futuro. O seu trabalho no Leixões e Setúbal revelaram o seu melhor, acumulando no curriculum muitas nebulosas. O que lhe peço é que reconcilie os adeptos com a equipa, a ponha a jogar futebol de forma consistente. E eu acredito que isso é possível, até com Carvalhal. De uma coisa não será acusado: de defraudar as expectativas. No actual contexto, até pode ser o seu único ponto onde se agarrar.

Temo porém que estão criadas as condições para Carvalhal ser, para o Sporting, uma espécie de pescada: antes de ser (despedido) já o era.

Fotos da menina Geysi da UNIBAN.





Na verdade são dois perfis no Orkut, não sei qual deles é o verdadeiro: Profile 01, profile 02

Linda, não é? Desejo boa sorte ao responsável pela edição das imagens da revista Playboy.

Varagate


Se no tempo do Watergate houvesse tantos defensores do segredo de justiça Richard Nixon nunca teria saído do poder.

E agora Anacleto?


(Frei Anacleto no meio da prática de um exorcismo. "Vade retro capital!")

O vereador bloquista eleito, João Pereira, está a ser alvo de queixas-crime no Ministério Público, pelo seu envolvimento na venda de terrenos de familiares, sobre cuja propriedade há suspeitas de terem sido cometidas falsas declarações. Pereira contrapõe dizendo que o querem «calar» e que isto é apenas «política, da pior possível».

E quanto aos processos-crime, diz que ele próprio também fez queixa em tribunal de quem «roubou» a sua família.

O problema é que João Pereira, segundo as informações recolhidas pelo SOL, está há algum tempo referenciado na Polícia Judiciária, tendo já sido investigado por diversos indícios criminais, como falsificação de cheques e burlas.

Além disso, o agora vereador do Bloco foi sócio de uma empresa de construções local, a J.& Valério, que o tribunal declarou insolvente em 2007 e que foi alvo mais de uma dezena de processos. Há três anos, aliás, estava na lista das maiores devedoras ao fisco, publicada pelo Ministério das Finanças.

Apesar de ter poucos eleitos nas autarquias, o Bloco de Esquerda tem tido alguns problemas. O que dirá Francisco Louçã deste seu vereador? O mesmo que disse de outros políticos?







Isabel Alçada eu sei quem tu és!


Quem é Maria Isabel Girão de Melo Veiga Vilar, perguntam vocês? Não sabem mas já a começam a conhecer bem, é a nova Ministra da Educação Isabel Alçada. Temos por isso uma Ministra que governa sob pseudónimo como pode ser comprovado no próprio site do governo. Assim, preserva-se a tal Maria Isabel Girão de Melo Veiga Vilar para futuramente poder ser chamada para Ministra da Agricultura sob o pseudónimo de Isabel Inchada, ou Ministra das Obras públicas como Isabel Alcatroada ou outro Ministério qualquer sob outro pseudónimo qualquer. Assim, na realidade a Ministra não existe porque a Isabel Alçada também não. É uma invenção
Proponho mesmo ao Engenheiro que, quando o seu nome já estiver tão sujo de andar pela lama dos casos de corrupção e das aldrabices em licenciaturas, e não só, assim com pela merda que fez no governo, concorra às eleições como José Platão ou mesmo João Aristóteles. (Não recomendo José Nietzsche, João Kant e Manuel Kierkegaard porque são nomes que não ficam muito bem a um Engenheiro).

No Kaos

666

Muro de Berlim.


Dia 9 (segunda-feira), o mundo celebrou a queda do Muro de Berlim, o símbolo mais inequívoco de um universo opressivo, nascido do equilíbrio do terror nuclear entre as duas superpotências que dominaram a geopolítica do pós-guerra. O mundo inteiro? Não. Numa 'aldeia' de irredutíveis comunistas há quem prefira celebrar não o muro caído mas o muro ainda erguido, entre 1961 e 1989, cortando ao meio um país, cortando ao meio uma cidade de onde os próprios habitantes não podiam sair por imposição de uma potência estrangeira - a URSS - que a ocupava militarmente. Este Astérix de sinal contrário, adepto das legiões romanas com sotaque russo, é o Avante! , órgão central do Partido Comunista Português, que em editorial derrama lágrimas pela queda do império soviético, suspirando de nostalgia pela Revolução de Outubro.

"A constituição do primeiro Estado operário; as conquistas civilizacionais – políticas, sociais, económicas e culturais - alcançadas na União Soviética nascida da Revolução de Outubro; o processo de construção do socialismo então iniciado e os seus êxitos; as múltiplas repercussões no mundo de todo esse exaltante processo, dando nova dimensão à luta de libertação nacional dos trabalhadores e dos povos e à luta pela paz – e, com tudo isso e por tudo isso, o papel que a URSS passou a desempenhar à escala planetária, criaram novas e promissoras perspectivas num mundo até então submetido ao domínio absoluto do sistema capitalista, apresentado como uma «inevitabilidade» decorrente de uma «ordem natural das coisas» fabricada pela ideologia dominante à medida dos interesses do grande capital internacional", escreve o Avante!. Como se vivêssemos no mundo pré-1989, antes da queda do comunismo nas capitais do Leste. Como se vivêssemos no mundo pré-1973, antes de Soljenitsine ter feito a minuciosa descrição do universo concentracionário dos gulags na mais emblemática das suas obras. Como se vivêssemos no mundo pré-1956, antes da revelação - pelo próprio secretário-geral do Partido Comunista soviético, Nikita Khrutchov - dos crimes cometidos por Estaline, o czar vermelho desse falso "primeiro Estado operário" que os comunistas ortodoxos portugueses, possuídos de um saudosismo serôdio, agora glorificam.

"A derrota do socialismo, com o desaparecimento da União Soviética e da comunidade socialista do Leste da Europa, constituiu uma tragédia, não apenas para os povos desses países mas para toda a humanidade: com o capitalismo dominante, o mundo é, hoje, menos democrático, menos livre, menos justo, menos fraterno, menos solidário, menos pacífico", refere ainda o editorial do órgão oficial do PCP.

Nem por um momento ocorre ao Avante! reflectir sobre o que levou essas sociedades tão progressistas a implodir estrondosamente e os trabalhadores 'libertados' de Leste a correr rumo à 'opressão' do Ocidente. É que essas sociedades se fundavam numa mentira que o PCP gosta de repetir ainda hoje: não havia Estados-operários mas ditaduras burocráticas, assentes num capitalismo de Estado para o qual cada cidadão era um sujeito destituído de direitos - começando pelos direitos laborais. O próprio direito à greve era severamente reprimido, como experimentaram na pele os operários que se rebelaram em Berlim-Leste (1953) ou na Polónia (1956, 1970, 1981), já para não mencionar a Roménia do camarada Ceaucescu, que mandava construir os seus faustosos palácios com mão-de-obra escrava.

Este era o falso ''paraíso socialista' que terminou em 1989. O mundo ficou mais livre depois da queda do Muro - depois da queda de todos os muros do Báltico ao Adriático. E ficou também mais igualitário e justo. Porque nenhuma liberdade era realmente digna desse nome na Europa quando permitíamos, por acção ou omissão, que metade do continente ainda não tivesse perdido as grilhetas, para usar uma expressão marxista que o Avante! só emprega quando lhe convém. Como se houvesse alguma superioridade moral nas grilhetas comunistas.

Carta aberta a José Sócrates.


Autor: João Miguel Tavares

Excelentíssimo senhor primeiro-ministro: Sensibilizado com o que tudo indica ser mais uma triste confusão envolvendo o senhor e o seu grande amigo Armando Vara, venho desde já solidarizar-me com a sua pessoa, vítima de uma nova e terrível injustiça. Quererem agora pô-lo numa telenovela - perdoe-me o neologismo - digna do horário nobre da TVI é mais um sintoma do atraso a que chegámos e da falta de atenção das pessoas para as palavras que tão sabiamente proferiu aquando do último congresso do PS:”Em democracia, quem governa é quem o povo escolhe, e não um qualquer director de jornal ou uma qualquer estação de televisão.” O senhor acabou de ser reeleito, o tal director de jornal já se foi embora, a referida estação de televisão mudou de gerência, e mesmo assim continuam a importuná-lo. Que vergonha.
Embora no momento em que escrevo estas linhas não sejam ainda claros todos os contornos das suas amigáveis conversas, parece-me desde já evidente que este caso só pode estar baseado num enorme mal-entendido, provocado pelo facto de o senhor ter a infelicidade de estar para as trapalhadas como o pólen para as abelhas - há aí uma química azarada que não se explica. Os meses passam, as legislaturas sucedem-se, os primos revezam-se e o senhor engenheiro continua a ser alvo de campanhas negras, cabalas, urdiduras e toda a espécie de maldades que podem ser orquestradas contra um primeiro-ministro. Nem um mineiro de carvão tem tanto negrume à sua volta. Depois da licenciatura na Independente, depois dos projectos de engenharia da Guarda, depois do apartamento da Rua Braamcamp, depois do processo Cova da Beira, depois do caso Freeport, eis que a “Face Oculta”, essa investigação com nome de bar de alterne, tinha de vir incomodar uma pessoa tão ocupada. Jesus Cristo nas mãos dos romanos foi mais poupado do que o senhor engenheiro tem sido pela joint venture investigação criminal/comunicação social. Uma infâmia.
Mas eu não tenho a menor dúvida, senhor engenheiro, de que vossa excelência é uma pessoa tão impoluta como as águas do Tejo, tirando aquela parte onde desagua o Trancão. E não duvido por um momento que aquilo que mais deseja é o bem do Pais. É isso que Portugal teima em não perceber: quando uma pessoa quer o melhor para o País e está simultaneamente convencida de que ela própria é a melhor coisa que o País tem, é natural que haja um certo entusiasmo na resolução de problemas, incluindo um ou outro que possa sair fora da sua alçada. Desde quando o excesso de voluntarismo é pecado? Mas eu estou consigo, caro senhor engenheiro. E, com alguma sorte, o procurador-geral da República também.
Atentamente, JMT.

Caviar e petingas.

Anacleto Louçã não se mistura com as peixeiras

Quando questionado pelos jornalistas sobre o porquê de tal atitude, o novo líder dos intelectuais e proletários terá dito que tal procedimento é uma “questão de princípio”, já que tal contacto “cria uma dinâmica de espectáculo” e parece que o líder partidário pretende um contacto com as pessoas, sem populismo, sendo que é ele que escolhe “as pessoas com quem quer(o) contactar”. Fosse outro líder qualquer e diríamos que há aqui uma forte desconsideração, talvez até discriminação em relação a um grupo profissional. Poderíamos até acrescentar, se fôssemos maldosos, que o líder bloquista mostra a verdadeira essência snobista e elitista da sua agremiação, mas certamente a explicação será outra. Quanto ao espectáculo, faz muito bem o dr. Louçã em recusá-lo, mas a ser assim será que vamos deixar de ver os cuspidores de fogo, malabaristas, contorcionistas, artistas circenses e outros tantos que tanto contribuem para enobrecer a política em geral e a campanha do Bloco, em particular?

Hoje foi na Moita do Ribatejo - João Augusto Moura.

Uma lição vinda da Argentina.


Numa altura em que, em todo o mundo, os poderes públicos procuram condicionar os comportamentos privados (por enquanto a norma tem sido a proibição ou a criação de obrigações – um dia destes chegaremos à crimininalização) é notável este acordão do Supremo Tribunal Argentino (meus destaques):

O Supremo Tribunal da Argentina despenalizou o consumo de marijuana para uso próprio, isto depois da condenação de cinco jovens por terem com eles pequenas quantidades desta droga.

Segundo este tribunal, é inconstitucional punir alguém por consumir drogas, uma vez que as acções privadas do homem que não violem a ordem e a moral pública e não prejudiquem terceiros são acções que não recaem sobre a autoridades dos magistrados.

O acórdão deste tribunal defende que cada adulto é livre de ter o estilo de vida que quiser sem interferência do Estado e que é necessário proteger a vida privada dos adultos e a capacidade de cada um para decidir a sua conduta.

Vermelhices


Só espero que, caso os resultados desportivos voltem a estar ao nível já habitual, os contribuintes não venham a ser forçados – directa ou indirectamente – a financiar também a salvação do Benfica…

Benfica hipoteca receitas de 10 anos para pagar jogadores

O contrato assinado com a Sagres no dia 21 de Julho, no valor de 40 milhões de euros e válido por 10 anos, é a principal garantia prevista no plano de endividamento junto da banca. Segundo as fontes contactadas pelo i, o clube presidido por Luís Filipe Vieira estará, neste momento, a ultimar detalhes de um financiamento junto do BES, tendo dado como garantia do empréstimo as receitas do acordo celebrado com a Centralcer, dona da marca de cerveja Sagres.

Até 2021, os encarnados receberão da cervejeira 40 milhões de euros. Caso o Benfica falhe o pagamento dos empréstimos que entretanto vierem a ser contraídos, este dinheiro seguirá directo para o banco, para abater o passivo.

“Salvaguardámos o futuro do Benfica”, disse Vieira, quando assinou com a Sagres. Talvez não o quisesse dizer mas salvação também passa pela conquista de resultados desportivos e foi por isso que jogou tudo no fortalecimento da equipa colocada à disposição de Jesus. “Temos serenidade para investir no core business e ganhar não um mas dois ou três campeonatos seguidos”, garantiu.

Risco: estratégia de Luís Filipe Vieira joga-se dentro do campo

Qual é o principal negócio da Benfica, SAD? O futebol. A viabilidade da sociedade desportiva só é assegurada com resultados desportivos e, por esse ponto de vista, o investimento de 24 milhões de euros em reforços – como escreveu o i, garantido através do contrato de 40 milhões assinado com a Sagres para os próximos 12 anos – justifica-se. E se a bola não entrar? E se o Benfica não for campeão e não garantir o acesso à Liga dos Campeões? Aí tudo fica em causa: o passivo (agravado no imediato), a receita futura (comprometida) e a decisão política da administração (Luís Filipe Vieira será o alvo por mais uma época falhada).

Apanhado pela 2ª vez a fazer sexo com o mesmo cavalo.

Um homem norte-americano chamado Rodell “Upa Upa” Vereen, de 50 anos, foi preso pela segunda vez depois de ter mantido relações sexuais com um cavalo.

O homem tinha entrado na quinta da sra. Barbara Kenley, na Carolina do Sul, Estados Unidos, e quando viu o Sugar, o cavalinho fofinho, saltou-lhe em cima e pimba.

Sugar andava demasiado contente e a dona desconfiou que algo se passava à noite no estábulo.

Colocou então uma mini-câmera secreta e filmou tudo.

Qual o seu espanto quando na gravação viu Rodell Vereen, dando uma "upa-upa" no cavalinho durante 1 hora e meia!!!!!

Chamou então a polícia e o senhor voltou a ser preso, depois de em 2007 ter sido acusado pelo mesmo crime!

O amor é tão lindo...

Eis a reportagem.


Há gajos que pensam que são o centro do Universo


Este aldrabão (que censura quem corrige as suas notícias e o põe em xeque) se calhar pensa que alguém que lê o Mestre Hemingway se importa com o que ele pensa...coitado.

14 Juillet.




Donatien Alphonse François, mais conhecido por Marquês de Sade

Provavelmente um dos autores mais incompreendidos e odiados. É costume situarem Donatien (gosto do nome) na Bastilha quando da tomada pelas hordas revolucionárias do 14 de Julho de 1789. Sabemos é que Donatien foi transferido precipitadamente para Charenton, na noite de 3 de Julho para 4 de Julho e só abandonará este "hospital de loucos" em 1790. Com a tomada da Bastilha, são pilhados seus documentos e bens pessoais.

ASAE inconstitucional.


Orelhas para todos. A última corrida de San Fermín.



El Juli y Miguel Ángel Perera han salido a hombros de la plaza de toros de Pamplona después de haber cortado tres y dos orejas respectivamente, mientras que Morante ha obtenido una en una corrida entretenida donde los de Cuvillo han resultado manejables... pero muy justos de raza.

El segundo toro del festejo tenía calidad pero salió descoordinado, por lo que fue devuelto a los corrales. En su lugar salió un sobrero de Cuvillo que tuvo el principal defecto de no terminar nunca de entregarse en muleta de El Juli.

Con él, el de Velilla de San Antonio volvió a dar buena muestra de su técnica y poder, dando la distancia precisa a un Cuvillo que pedía mucho sitio en cada muletazo, sin apretarlo para que no se acobardara. La faena estuvo bien estructurada y remató de una gran estocada de efectos fulminantes.

Al cuarto lo volvió a cuidar muchísimo desde que salió por los chiqueros y toreándolo bien a la verónica. El Juli volvió a estar muy inteligente, firme y seguro con los trastos, dando al principio todas las ventajas al animal hasta que acabó sometiéndolo, en varias series rotundas de mano baja.Estuvo por encima del toro, que tampoco se entregó, mató de media estocada y paseó los dos trofeos, el segundo bastante generoso.

A manos de Morante ha ido a parar el mejor toro de Núñez del Cuvillo noble y bajo de raza que terminó yendo a más gracias al temple y al buen toreo del diestro sevillano y que hasta el momento ha sido el de mejor juego de todo el encierro.

Salió distraído el de Cuvillo, manseando e incluso perdiendo varias veces las manos. Sin embargo, Morante vio rápidamente la buena condición del animal, brillando ya en un buen quite de chicuelinas, antes de un tercio de banderillas en el que su cuadrilla le cuidó mucho.

La faena de muleta tuvo mucha intensidad, brillando sobre todo por el pitón derecho, en varias series de mano bajo, torería y muchísimo temple, toreando muy despacio y vertical. Faena larga gracias a que supo sacar la nobleza del animal, también por el izquierdo, girando los pies con muchísima torería y alargando al máximo el muletazo. La estocada cayó entera a la par que desprendida y cortó un trofeo.

Peor condición tuvo el cuarto, que apenas duro en manos de un Morante que levantó olés con mucha fuerza con el capote, a la verónica. La labor de muleta la comenzó sentado en el estribo, derrochando torería, si bien el de Cuvillo no quiso sumarse a la fiesta porque aunque embestía bien de largo, protestaba en cercanías. Por ello, Morante no pudo ligar las series, todas muy cortas, todo muy intermitente y probando varios terrenos hasta terminar en chiqueros.

Por su parte, Miguel Ángel Perera derrochó ganas y firmeza desde que se abrió con el capote, con un arriesgado quite por tafalleras. Sin dejarse ganar la pelea, se fue a los medios para comenzar con varios pases cambiados por la espalda, pasándose el toro muy ajustado y sin rectificar ni un milímetro, a pesar del viento y de la poca claridad en la embestida del toro.

El extremeño anduvo muy fácil y seguro delante de la cara del animal, dejando varias series por el derecho de mucha importancia. A mitad de faena, el Cuvillo se le paró y Perera se 'montó encima' de él, buscando el terreno de cercanías donde se encontró más a gusto.

El sexto tenía clase, pero sufrió dos fuertes choques contra el burladero lo que unido a su poca raza, le mermó sus fuerzas. Perera, lejos de irse a por la espada, consiguió arrancarle la oreja, tirando mucho del toro y dejando que los pitones le rozaran los muslos. Con la espada fue un cañón y obtuvo el premio que le abría la Puerta Grande.

Burladero.com