Como nos anos 80... saímos de cabeça erguida.

Acabou. Uma derrota clara que nem valeu a frustração colectiva. À partida para o mundial, com as expectativas ao nível de água, chegar aos oitavos já seria cumprir os mínimos. Aconteceu. Menos normal é fazer uma retrospectiva sobre a performance da selecção na África do Sul e constatar que se os norte-coreanos não tivesse conseguido o passaporte para este evento acabaríamos com o score de...zero(!!!) golos marcados e um sofrido. Também não é bom augúrio saber que o melhor jogador nacional nos quatro jogos foi o guarda-redes e continua a ser um mistério o desempenho medíocre de um jogador, C. Ronaldo, pelo qual o Real Madrid o pornográfico valor de 96 milhões de euros. Queiroz cometeu alguns errros, mas não é por ele que não vamos mais longe. O treinador está à imagem e semelhança da equipa que treina, tem pouca qualidade e ambição é coisa que não nasceu com ele. Mais do que falar da substituição do professor, é prioritário mudar os órgãos dirigentes da Federação Portuguesa de Futebol. Estão há tempo demasiado na cadeira do poder. Amanhã é outro dia. As festas de verão ficaram para trás. Pobretes, mas alegretes e de cabeça erguida, como a selecção.

Bom Fim-de-Semana.

Pallywood.